COMO USAR AS EMOÇÕES INTELIGENTEMENTE

Tempo de leitura: 6 minutos

Foi em meados dos anos 80 que o termo inteligência emocional foi utilizado. Mas foi a partir dos anos 90 que conceito de inteligência emocional começou a se popularizar. O uso consciente e inteligente das emoções se provava então essencial para o desempenho.

Poder ter controle sobre os sentimentos e as emoções, não só de si mesmo, como também dos outros, e a capacidade de lidar com eles era o que diferenciava os líderes.

Essa concepção da psicologia que descreve a capacidade de avaliar, de reconhecer e de mourejar sobre seus próprios sentimentos e os dos outros é um dos principais responsáveis do sucesso do ser humano.

E ser aprovado em um concurso público é sinônimo de sucesso. É o maior desejo dos concurseiros e dos “aventureiros” que buscam uma oportunidade na vida pública.

Os sentimentos sempre acompanharam, acompanham, e vão acompanhar nossas vidas em todo instante. A todo instante, mesmo sem perceber, as emoções estão presentes nos nossos atos ou em nossos pensamentos.

Tudo está ligado ao emocional. Quando estamos em uma festa, por exemplo, nós remetemos sentimentos bons, alegres, divertidos. Dificilmente alguém fica triste em uma festa. O sentimento acompanha o momento, e, em tese, nós que escolhemos o nosso humor.

Até quando estamos estudando, a capacidade de absorção do conhecimento está ligada ao nosso estado emocional. O grau de aprendizado se baseia nas emoções e nos sentimentos. Por isso saber lidar com as emoções de forma inteligente é benéfico para os concurseiros.

Foi desenvolvido um método baseado no conceito de inteligência emocional que mostraram resultados mais do que satisfatórios, bem positivos por sinal. O programa que recebeu o nome de Social and Emotional Learning (SEL), que traduzindo do inglês significa Aprendizagem Social e Emocional, quando adotado em escolas, mostrou um progresso considerável nos alunos:

  • Teve uma melhora de desempenho em 50% dos alunos;

  • Um aumento nas médias em quase 40% dos alunos;

  • O registro de mau comportamento diminuiu 28%;

  • Mais de 60% dos alunos se mostraram mais receptivos e com um melhor comportamento perante a aprendizagem e a vida.

A aplicação do conceito de inteligência emocional para a vida profissional também se revelou muito positivo. Em especial nos cargos de liderança e para quem tinha o interesse de se desenvolver e galgar alguns degraus na profissão.

Uma pessoa que consiga usar suas emoções inteligentemente está mais propensa ao sucesso ao longo de sua trajetória. Podemos dizer que é um diferencial possuir um controle emocional. Alguns empregadores, ou profissionais de Recursos Humanos, consideram o uso inteligente das emoções uma habilidade tão valiosa quanto a aptidão.

Para os concurseiros, os benefícios o uso inteligente das emoções e sentimentos podem ser vistos da seguinte forma:

  • Habilidade para estudar em grupo

  • Capacidade de trabalhar em equipe

  • Bom relacionamento com outras pessoas

Essas habilidades mostram grande competência e controle emocional. O que se sabe, e se fala há muito tempo, é que lidar com pessoas é difícil, por isso essas habilidades caracterizam as pessoas de sucesso e as que exercem posto de liderança.

Podemos destacar ainda uma percepção social e uma qualidade nata para gerenciar relacionamentos e divergências. O que faz diferença na conduta e na vida de qualquer pessoa, e também nas dos concurseiros.

Estudiosos sobre o assunto entendem que ao agir com inteligência emocional, nós afetamos diretamente o sentimento de bondade e da consciência, desenvolvendo meios para diminuir o que tem de mal no mundo, como por exemplo, a criminalidade, a violência, o uso de drogas e entorpecentes, etc.

Mas, o por que de tamanha preocupação no convívio social?

A resposta é bem simples, aliás. Imaginemos um mundo onde prevaleça a individualidade. Um mundo onde não se pode contar com ninguém. Nenhum ombro amigo ou uma mão se estendendo quando realmente precisamos. Seria um verdadeiro pandemônio.

A rivalidade e competitividade devem existir, mas de uma forma saudável. Os concurseiros, por exemplo, devem ser competitivos e são rivais na hora da realização da prova. Ninguém vai deixar de ajudar um amigo porque vai prestar o mesmo concurso que você.

E isso soa totalmente contrário a ideia de divisão de custos para concursos, o verdadeiro intuito do Concurseiro Paulista. Dividir materiais com o maior número de pessoas possível com o único propósito de auxiliar os concurseiros na jornada rumo a carreira pública.

Já imaginou se os milhares de aprovados nos mais diversos concursos pelo país não pudessem contar com a ajuda do Concurseiro Paulista? Seria de uma hipocrisia e tanto a criação do site.

Essa é a grande sacada da inteligência emocional. Saber separar e lidar com os sentimentos de acordo com a situação a que estamos sendo submetidos. E essa experiência você vai levar pela vida inteira, até mesmo depois de conseguir sua aprovação em um concurso público.

A cooperação e o envolvimento entre as pessoas são importantes para que se evite a destruição da sociedade, da comunidade. Evita o isolamento, que pode levar a uma doença psicológica, e a perda da identidade humana.

Uma pessoa que usa as emoções inteligentemente consegue discernir e avaliar os próprios sentimentos, também os dos outros, e obtém vantagens com isso. Ele consegue lidar com mais facilidade com as reprovações e derrotas, não deixando que a autoestima e a perseverança sejam abaladas, características essenciais para um concurseiro.

A inteligência emocional quando desenvolvida, em especial para os concurseiros, é de suma importância para o processo, interferindo já na preparação, fazendo com que a confiança não seja estremecida e a adaptação e recuperação à situações desagradáveis sejam menos dolorosas.

É preciso ser autocrítico para saber realmente o quão preparado você está para prestar um concurso público. Um concurseiro inteligente emocionalmente vai saber distinguir com clareza suas reais condições. Vai saber o exato momento de atacar (discutir com a banca, por exemplo) ou de recuar e recomeçar (se conformar com a reprovação, levantar a cabeça, e partir para o próximo concurso).

A pessoa com inteligência emocional vai saber curtir e aproveitar todo o processo, etapa por etapa, até alcançar o objetivo final, e não somente esse momento final.

Então, fica a dica para os concurseiros: ‘bora’ trabalhar as emoções, pessoal!

COMO USAR AS EMOÇÕES INTELIGENTEMENTE
5 (100%) 3 votes

Sobre Concurseiro Paulista

Sou ex-Oficial Aviador da Marinha e bacharel em Ciências Militares pela Escola Naval.Sou um dos responsáveis pelo site Concurseiro Paulista que já tem 16 anos de história. Venho nesse Blog passar toda a minha experiência, pois já consegui ser aprovado em 33 Concursos Públicos, entre eles Delegado Civil e Federal e tantos outros. A nossa missão e compromisso é ajudar você ser aprovado também.